sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Tempestade roubada


Seco como estava, o céu me chamava. Talvez tivesse conseguido localizar a tempestade sua, que eu roubei para os meus olhos. “Mas foi só por hoje”, eu lhe disse. E ele, quieto, continuou suspenso sem poder reclamar, pois também os trovões já moravam em meu peito.

3 comentários:

  1. Naturalmente submissa.

    Guria! Honrada com sua visita e comentário la no Brisa Feliz. Gosto de pessoas inteligentes por la.

    ResponderExcluir